seashore1.jpgseashore2.jpg

Alguém me quis aqui

Alguém me quis aqui - Pe. Zezinho, scj

Leia e aprofunde esta reflexão. É difícil crer, sem passar por esta decisão de valorizar Deus como o Grande Outro de quem vieram todos os outros e entre eles o meu e o seu pequeno eu.
Um grande outro, a quem chamo "DEUS", nos criou a todos, e graças a Ele podemos dizer EU SOU, porque Ele foi o primeiro que usou esta expressão e continuará a usá-la eternamente. Por causa Dele, também nós poderemos dizer que somos enquanto existirmos. Eu sou quem sou é expressão muito mais profunda do que se possa imaginar. Afirma-nos como ser no meio de outros seres, mas nos torna mais do que cópias ou números. Nunca ninguém será eu, assim como eu jamais serei o que o outro é. No máximo serei como ele é.

O eco e a voz

O eco e a voz

Um homem de vida interior 
afastou-se do tumulto da cidade 
e das obrigações impostas por seus afazeres 
e simplesmente contemplou as montanhas. 

Durante algum tempo estaria impedido, ainda que involuntariamente, de se dedicar às suas obrigações cotidianas.
Mas por alguma razão, sentia-se solitário
e com o coração oprimido pela angústia.

Lançou seu grito ao vento e ouviu o eco que provinha de seu próprio interior.
Experimentava solidão, porque os homens e mulheres que automaticamente compunham o cenário de seus afazeres não o animavam com as questões práticas que se transformaram no sentido de sua vida.
Procurou distrair-se com a televisão, mas a atitude de seu exílio não permitia conectá-lo com a imensa vitrine em que o vídeo se transformara.

A angústia e a solidão aumentaram!
Após algum tempo, tornou a lançar seu grito ao vento e o que escutou foi o eco gerado na própria montanha.
Sua voz retornou, repetida e distante, exigindo do solitário um novo ponto de vista.
A vida continuava pulsando na grande cidade, com todos os problemas sendo produzidos e resolvidos apesar de sua ausência.
Os papéis sociais, a quem muitos homens e mulheres foram transformados, continuavam interagindo sem sua presença.

Um pássaro solitário também emitiu seu grito estridente, que foi reproduzido pelo eco da montanha.
Homem e pássaro gritavam e suas vozes, harmonizando a dignidade humana e da natureza, restauravam uma parceria perdida.
O silvo do vento nas copas das árvores e o fluxo harmonioso da cascata próxima enriqueceram uma vida ampliada, tornada holística, que escapara à redução do ser ao mero fazer.
Dir-se-ia que a grandeza do universo resgatava uma existência renovada.

O homem emitiu um novo grito.
O que ouviu foi o eco que reverberava a sua nova condição abrangente, livre, cósmica.
As vozes sufocadas do pássaro, sem desfazerem a realidade e seu ritmo, apenas sussurravam, reverentemente, diante da sinfonia maior.
Eis que o homem renovado, capaz de relativizar a sua participação no concerto do universo, compreendeu finalmente que o espírito livre se alimenta no vazio.

José Tarcísio Amorim

São João Paulo II e São João XXIII

Segue a homilia do papa Francisco na canonização de são João XXIII e são João Paulo.
 

No centro deste domingo, que encerra a Oitava de Páscoa e que João Paulo II quis dedicar à Divina Misericórdia, encontramos as chagas gloriosas de Jesus ressuscitado.
Já as mostrara quando apareceu pela primeira vez aos Apóstolos, ao anoitecer do dia depois do sábado, o dia da Ressurreição. Mas, naquela noite, Tomé não estava; e quando os outros lhe disseram que tinham visto o Senhor, respondeu que, se não visse e tocasse aquelas feridas, não acreditaria. Oito dias depois, Jesus apareceu de novo no meio dos discípulos, no Cenáculo, encontrando-se presente também Tomé; dirigindo-Se a ele, convidou-o a tocar as suas chagas. E então aquele homem sincero, aquele homem habituado a verificar tudo pessoalmente, ajoelhou-se diante de Jesus e disse: «Meu Senhor e meu Deus!» (Jo 20, 28).
Se as chagas de Jesus podem ser de escândalo para a fé, são também a verificação da fé. Por isso, no corpo de Cristo ressuscitado, as chagas não desaparecem, continuam, porque aquelas chagas são o sinal permanente do amor de Deus por nós, sendo indispensáveis para crer em Deus: não para crer que Deus existe, mas sim que Deus é amor, misericórdia, fidelidade. Citando Isaías, São Pedro escreve aos cristãos: ‘pelas suas chagas, fostes curados’ (1 Ped 2, 24; cf. Is 53, 5).

Tira de nós a vaidade - Pe. Zezinho, scj

Ouve-nos e converte-nos de verdade, Senhor.
Tira de nós a vaidade de acharmos que somos os melhores, que entendemos melhor do que os outros, que sabemos mais Bíblia dos que os outros, e que te encontramos e te servimos com mais lealdade. 
Estamos lembrados da advertência de Filho, quando estiveste neste mundo anunciando o reino. Disseste que deveríamos buscar este reino em primeiro lugar; que os pequeninos conheceriam o teu segredo e que ladrões prostitutas talvez entrassem no teu céu antes de nós, por terem cumprido a primeira exigência do reino: o verdadeiro arrependimento que sempre vem seguido da humildade de não nos acharmos mais do que os outros. 
Dá-nos, pois, a humildade de quem sabe o suficiente para crer, mas que sabe que não sabe o suficiente para se proclamar mais santo, mais fiel e mais eleito. Ainda nos lembramos da história do fariseu que se gabava de fazer tudo certo e do publicano que admitia que precisava de conversão e de misericórdia.

Joomla templates by a4joomla